Devido ao calor específico (cp) da amostra, o lado da referência (usualmente um cadinho vazio) geralmente aquece mais rapidamente do que o lado da amostra durante o aquecimento de uma célula de medição DSC; isto é, a temperatura de referência (TR, verde) aumenta ligeiramente mais rápido do que a temperatura da amostra (TP, vermelho). As duas curvas apresentam comportamento paralelo durante o aquecimento a uma taxa de aquecimento constante – até que uma reação ocorra na amostra. No caso mostrado aqui, amostra começa a fundir no tempo t1. A temperatura da amostra não varia durante a fusão; A temperatura do lado da referência, entretanto, permanece inalterada e continua apresentando um aumento linear. Quando a fusão é completada, a temperatura da amostra também começa  a aumentar novamente e, começando com o ponto no tempo t2, novamente apresenta um aumento linear.

O sinal da diferença das duas curvas de temperaturas (ΔT) é mostrado na parte debaixo da imagem. Na seção do meio da curva, o cálculo da diferença gera um pico (azul) representando o processo de fusão endotérmico. Dependendo se a temperatura da referência foi subtraída da temperatura da amostra ou vice versa durante este cálculo, o pico gerado pode estar orientado para cima ou para baixo no gráfico. A área de pico está correlacionada com o teor de calor da transição (entalpia em J/g).

As normas DIN 51007 e ISO 11357-1 recomendam a representação de processos endotérmicos com a orientação da amplitude para cima. Enquanto que as normas ASTM E793 e E794, por exemplo, é sugerida a representação de processos endotérmicos com a orientação da amplitude para baixo. Este é o motivo do software Proteus® da NETZSCH permitir selecionar a direção de aplicação dos processos endotérmicos e exotérmicos.



Princípio Funcional de um fluxo de calor DSC

Uma célula de medição DSC consiste de um forno e um sensor integrado com posições designadas para os cadinhos de amostra e referência. As áreas do sensor estão conectadas aos termopares ou podem ser até mesmo ser parte do termopar. Isto permite a gravação tanto da diferença de temperatura entre o lado da amostra e a referência (Sinal DSC) e a temperatura absoluta do lado da amostra ou da referência.