Determinação do Tempo de Oxidação Induzida ou Temperatura: OIT eo OOT

Influências externas como a radiação UV (luz), temperatura, oxigênio atmosférico, cargas atmosféricas (por exemplo, impurezas) ou meios químicos / biológicos levam materiais orgânicos ao envelhecimento prematuro, o que pode influenciar, consideravelmente, suas propriedades de uso ou pode até mesmo levar à falha das peças em que eles são utilizados como um componente. A causa mais comum de envelhecimento químico (por exemplo, a degradação da cadeia) é a oxidação, o que faz com que a estabilidade à oxidação seja um critério importante para as aplicações com óleos, gorduras, lubrificantes, combustíveis ou plásticos. A estabilidade à oxidação pode ser determinada através da Temperatura de Oxidação Induzida / Tempode Oxidação Induzida (OIT), por meio de calorimetria exploratória diferencial (DSC) com procedimentos padronizados.


Na prática, utilizam-se dois métodos diferentes: testes OIT dinâmicos e isotérmicos. Na técnica dinâmica, a amostra é aquecida a uma taxa de aquecimento constante definida, sob condições de oxidação até que se inicie a reação. A Temperatura de de Oxidação Induzida OIT (também chamada de Temperatura ONSET de Oxidação OOT) é a mesma que a temperatura de ONSET extrapolado do efeito DSC exotérmico que ocorre. Em testes IOT isotérmicos, os materiais, a serem investigados, são primeiro aquecidos sob atmosfera de gás inerte e, em seguida, mantida a uma temperatura constante durante vários minutos, para estabelecer o equilíbrio, e subsequentemente expostos a uma atmosfera oxidante ( ar ou oxigênio). O intervalo de tempo entre o primeiro contacto com o oxigênio, até o início da oxidação é chamado o Tempo de Oxidação Induzida OIT.

Determinação do Tempo de Oxidação Induzida de uma poliolefina de acordo com a Norma ISO 11357-6

O procedimento para a preparação, execução e avaliação das medições é descrita em detalhes em normas nacionais e internacionais, tais como ASTM D3895 (polietileno), DIN EN 728 (tubulações plásticas) ou ISO 11357-6 (plásticos). Geralmente, são usados ​​tanto cadinhos abertos ou cadinhos tampados, com vários furos na tampa. Para poliolefinas como PE ou PP, um tempo mais longo de OIT permite-nos concluir que a estabilidade à oxidação é melhor e, por conseguinte, indica um tempo de vida mais longo.

 

Você também pode estar interessado em:

DSC 204 F1 Phoenix®

Grande sensitividade e resolução podem ser feitas com esse Calorímetro Exploratório Diferencial premium, o qual também conta com um amostrador automático (ASC), modulação de temperatura (TM-DSC), otimização da linha base (BeFlat®), correção da resistência térmica e constantes de tempo (DSC-correction) mesmo acoplado ao QMS e FTIR ou a uma extensão - UV para foto-calorímetro.

DSC 204 HP Phoenix® – DSC de alta-pressão

Experimentos de DSC com pressões selecionadas de gases, permitem novas possibilidades para o estudo de reações químicas, processos de vaporização (ASTM E1782), absorção e dessorção e estudo de envelhecimento (ASTM E1858, ASTM D6186, ASTM E2009, ASTM D5483). O DSC 204 HP Phoenix®, Calorímetro Exploratório Diferencial, é idealmente configurado para essas aplicações.

DSC 3500 Sirius

O DSC 3500 Sirius combina compacidade, robustez e facilidade de uso com alta sensitividade de detecção, oferecendo assim condições ideais para a garantia da qualidade e análise de falhas em áreas como alimentos, cosméticos, polímeros, têxteis técnicos e materiais orgânicos e inorgânicos.

DSC 214 Polyma – Calorímetro Diferencial de Varredura

O DSC Polyma oferece uma poderosa solução exigida para tarefas de medições no dia a dia, em relação tanto ao hardware, quanto ao software. É fácil de operar, ao passo que ainda proporciona segurança absoluta, fazendo deste inovador instrumento DSC uma ferramenta ideal para pesquisas, desenvolvimento, garantia de qualidade e análise de falhas de materiais poliméricos.